segunda-feira, 1 de junho de 2009

O Chá...

O meu único e delicioso vício...

Do bico de uma chaleira bojuda um pouco cansada escapava-se um leve vapor. Dessa estranha locomotiva imóvel exalavam-se assobiando todos os perfumes do mundo, das montanhas vermelhas da China às montanhas azuis da Índia, das veredas afegãs às pistas do deserto, dos poços africanos às margens egípcias. De repente, compreendi que a chaleira tinha percorrido uma viagem muito longa. Tinha seguido as caravanas para se meter na poeira dos caminhos traçados pelos nómadas. Era ao mesmo tempo dragão e diligência, locomotiva e caixa de Pandora.
Teria eu medo de lhe levantar a tampa para nela encontrar algum segredo que não me era destinado?
Olhei uma última vez para essa chaleira dos países longínquos, que parecia protegida pelo peso de tantas lendas. Era preciso ser rápido, o chá ia arrefecer.
Devia bebê-lo ou partir de imediato? …


continua
O Pequeno Tratado do Chá, Gilles Brochard

4 comentários:

antonio - o implume disse...

Um só vício? Tss... Tss...

Tia_Cunhada disse...

É verdade! Juro... :-)

susana disse...

O Pequeno Tratado do Chá, Gilles Brochard - isto tem alguma coisa a ver comigo? Tratado, pequenino...? Livrinho?

Tenho que voltar aqui. Tu andas numa produção fantástica!

Tia_Cunhada disse...

Claro que tem! E o chá, em si mesmo, tem tudo a ver connosco...