segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

EU...

Quis os teus olhos
Mas pincelei-os com o meu brilho

Quis a tua boca
Mas desenhei-lhe eu o sorriso

Quis a tua voz
Mas calei as tuas palavras

Quis o teu corpo
Mas impus eu o compasso

E foi na ausência do teu abraço
Que descobri
Que te amei
Sem saber
Se te amei a ti
Se à imagem que concebi...

21 comentários:

avlisjota disse...

Belo poema Tia.

Estou perplexo fiquei sem palavras, sem tinta nos dedos, os olhos mancharam, a voz enrouqueceu,(espero recuperar até quinta)o corpo está ternário, tal foi a abanadela.

Ó tia o teu compasso é binário, ternário ou quaternário...

Beijos

Tia_Cunhada disse...

Respondo-te com um aforismo que fiz de TPC:

"Em poesia dizemos, com belas palavras, as verdades mais dolorosas"

Um beijo, e não me leias mais até 5ª feira... :-)

antonio - o implume disse...

Muito bem! Longe dos poemas lamechas com que as meninas gostam de poluir a blogoesfera. Um poema com uma ideia!

Tia_Cunhada disse...

António, és mesmo tu?!
Estou pasma mas feliz, confesso, com o teu comentário.
Beijo

White Angel disse...

Tia,

O teu poema é de facto lindissimo, mas foi a tua frase de apresentação que me chamou a atenção... Nada mais doloroso do que castrar o sentimento mais nobre que temos para dar... E é na dadiva que encontramos a real felicidade...

Por isso dà... dà o melhor que ha em ti...

Namasté:)

Tia_Cunhada disse...

Namasté White Angel...

Como diz António Osório, "a ficção é necessária para desembaraço de inconfessáveis segredos e decepções".

Um beijo

Charlotte disse...

Lindo poema...muito bem inspirada, sim senhora!

Beijinhos

susana disse...

Ena Tia! O nosso curso está a fazer-te lindamente! Tão criativa. Continua, continua, estes poemas eu entendo!

Tia_Cunhada disse...

Charlotte, Susana... estou a sorrir e a fazer-vos uma vénia... :-)

Beijinho às duas

avlisjota disse...

Olá Tia.
Espero que o feriado esteja a ser bom e criativo.
Não te leio até quinta, mas posso te escrever. ;-)
Deixo um poema de um autor que conheces!

Beijos...


IMAGEM

Este é o poema de uma macieira.
Quem quiser lê-lo,
Quem quiser vê-lo,
Venha olhá-lo daqui a tarde inteira.

Floriu assim pela primeira vez.
Deu-lhe um sol de noivado,
E toda a virgindade se desfez
Neste lirismo fecundado.

São dois braços abertos de brancura;
Mas em redor
Não há coisa mais pura,
Nem promessa maior.

Miguel Torga

Tia_Cunhada disse...

Água

Água a correr na fonte.
Uma quimera líquida que sai
Das entranhas do monte
A saber ao mistério que lá vai…

Pura
Branca, inodora e fria,
Cai numa pedra dura
E desfaz o mistério em melodia.

Miguel Torga, Diário II, 1948

Gosto desta batalha literária... Um beijo e continuação de bom feriado. Não apanhes frio; cuida das tuas cordas vocais para 5ª feira :-)

avlisjota disse...

Outono

Tarde pintada
Por não sei que pintor.
Nunca vi tanta cor
Tão colorida!
Se é de morte ou de vida,
Não é comigo.
Eu, simplesmente, digo
Que há tanta fantasia
Neste dia,
Que o mundo me parece
Vestido por ciganas adivinhas,
E que gosto de o ver, e me apetece
Ter folhas, como as vinhas.

Miguel Torga, Antologia Poética,
Casais de Mem Martins / Rio de Mouro, Círculo de Leitores, 2001

Obrigado plo concelho vou fugir do frio...

Bj

José

José Rui Fernandes disse...

Tia, um poema que dava para um tratado de filosofia sobre a paixão, sobre aquilo que o outro é e aquilo que os nossos olhos vêm nele!
E também sobre o amor... dominador... em que gostamos do "ter" e esquecemos o "ser"!

Muito bem conseguido, este poema!

Beijo para ti

Tia_Cunhada disse...

José e José Rui, hoje o meu ego não cabe em mim... enviei alguns poemas meus (incluindo este) ao meu Professor de escrita criativa (que é professor de literatura) e a resposta dele alegrou tanto o meu dia...
Hum... estou toda vaidosa :-)

Beijo aos dois

avlisjota disse...

Tens mais que motivos para estares vaidosa. Eu também sinto uma certa vaidade por te ter como amiga!

bj

José

Vício disse...

há uma forma de descobrir!
encarando.

susana disse...

E a tua conhada está muito feliz por ter recebido a notícia.

Tia_Cunhada disse...

José, tu já saíste da blogoesfera. Já sei o teu rosto; espero ter em ti um amigo também. Bjs

Vício, às vezes temos medo de encarar...
Saudades de te ter por cá.

Su, que bom! Deves ter recebido um email com "coisas de mulherio"... nome de código :-)
Beijinho e até logo, na escola.

susana disse...

Por acaso só recebi agora. Soube primeiro por aqui.Uma rapariga informada, eu! ;)

Tenshi Tori Kaji disse...

é... LINDO! WOW!
Mas que veia, Tia!
Gostei tanto... tanto! =D

É uma triste incerteza essa em que falas no teu poema... Tanto para quem a tem, como para a outra pessoa, que não sabe se é amada p'la sua personalidade em si, ou p'la imagem criada ao seu entorno...

Tia_Cunhada disse...

Tamagoshi, andas por aqui a remexer no fundo do baú...
Modéstia à parte até eu gosto muito desta "obra prima" :-)

Beijinho